sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

A DIFERENÇA ENTRE EVANGÉLICOS E CATÓLICOS


Existem muitas igrejas evangélicas que cada vez mais tornam-se parecidas com a ICAR – Igreja Católica Apostólica Romana. Todavia, mesmo assim, existem diferenças claras entre essas ramificações cristãs. Não quero aqui me deter nas semelhanças, principalmente das igrejas neopentecostais, que copiaram muitas práticas da ICAR para dentro de suas celebrações e liturgias.

Meu objetivo aqui é mostrar porque existe a igreja evangélica, porque a ICAR não conseguiu manter sua unidade no século 16 d.C., e porque os católicos romanos são sempre alvo da pregação evangélica. Que, com certeza, são seus ensinos divergentes com a Bíblia Sagrada.


A diferença entre estas ramificações cristãs, que se dividiram desde o século 16 d.C., serve de informação, esclarecimento e prova de que toda tentativa ecumênica do Concílio Vaticano II é vã exceto se a ICAR reconhecer que seus dogmas criados posteriormente a era apostólica e ao início da era patrística não são doutrinas cristãs ou apostólicas, mas heresias, ensinos desprovidos de serem Palavra de Deus.


I. Sobre a intercessão celestial entre Deus e os homens.

NO QUE CRÊ A IGREJA CATÓLICA?

Na ICAR, Maria é intercessora: “Esta maternidade de Maria na economia da graça perdura ininterruptamente, a partir do consentimento que ela fielmente prestou na anunciação, que sob a cruz resolutamente manteve, até a perpétua consumação de todos os eleitos. Assunta aos céus, não abandonou este múnus salvífico, mas, por sua múltipla intercessão, continua a alcançar-nos os dons da salvação eterna. (…) Por isso, a bem-aventurada Virgem Maria é invocada na Igreja sob os títulos de advogada, auxiliadora. Protetora, medianeira”. (Catecismo da Igreja Católica pág.274, § 969) e também os “santos” canonizados pelo Papa: “A intercessão dos santos. Pelo fato de os habitantes do Céu estarem unidos mais intimamente com Cristo, consolidam com mais firmeza na santidade toda a Igreja. Eles não deixam de interceder por nós ao Pai, apresentando os méritos que alcançaram na terra pelo único mediador de Deus e dos homens, Cristo Jesus. Por conseguinte, pela fraterna solicitude deles, nossa fraqueza recebe o mais valioso auxílio (Catecismo da Igreja Católica pág.270, § 956).

NO QUE CRÊ A IGREJA EVANGÉLICA?

Nas igrejas evangélicas a intercessão celestial só pode ser feita por meio de Jesus Cristo: 1) Uma vez que os mortos estão inconscientes para com os fatos da vida na terra: “Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento. Amor, ódio e inveja para eles já pereceram; para sempre não têm eles parte em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.” (Eclesiastes 9.5-6 ARA). 2) Uma vez que somente Jesus Cristo possui no momento a imortalidade: “o único que possui imortalidade, que habita em luz inacessível, a quem homem algum jamais viu, nem é capaz de ver. A ele honra e poder eterno. Amém!” (1 Timóteo 6.16 ARA). 3) Uma vez sendo o primeiro que ressurgiu dentre os mortos: “Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia,” (Colossenses 1.18 ARA). 4) Uma vez sendo aquele que está vivo dentre os mortos, subiu aos céus e está ao lado de Deus: “Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas,” (Hebreus 1.3 ARA). “Evidentemente, grande é o mistério da piedade: Aquele que foi manifestado na carne foi justificado em espírito, contemplado por anjos, pregado entre os gentios, crido no mundo, recebido na glória.” (1 Timóteo 3.16 ARA). 5) Uma vez que Jesus é o único que foi ascenso ao céu: “Ora, ninguém subiu ao céu, senão aquele que de lá desceu, a saber, o Filho do Homem [que está no céu].” (João 3.13 ARA). Dispensa-se, portanto, qualquer possibilidade de alguém, fora Jesus, esteja ressuscitado, vivo, ascenso ao céu, e com a autoridade de intercessor no céu junto a Deus.

Para os evangélicos, somente Jesus tem o título de sumo sacerdote no céu, que segundo a Lei é uma função exclusivamente masculina, não encontramos nenhuma mulher nas leis acerca dos sacerdotes (Levítico 21), e nesta condição, só ele pode rogar junto a Deus por nossas vidas. Conforme ensina a Bíblia: “Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem,” (1 Timóteo 2.5 ARA). O mediador era o sumo sacerdote que, quando veio Cristo, fez o perfeito sacrifício e por ser eterno e imutável, sua função é plena, por isso dispensa a opção de outro exercer. Uma vez que seu sacerdócio é perfeito: “este, no entanto, porque continua para sempre, tem o seu sacerdócio imutável […] Porque a lei constitui sumos sacerdotes a homens sujeitos à fraqueza, mas a palavra do juramento, que foi posterior à lei, constitui o Filho, perfeito para sempre […] Ora, o essencial das coisas que temos dito é que possuímos tal sumo sacerdote, que se assentou à destra do trono da Majestade nos céus […] Agora, com efeito, obteve Jesus ministério tanto mais excelente, quanto é ele também Mediador de superior aliança instituída com base em superiores promessas […] Quando, porém, veio Cristo como sumo sacerdote dos bens já realizados, mediante o maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, quer dizer, não desta criação […] Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para comparecer, agora, por nós, diante de Deus (Hebreus 7.24,28; 8.1,6; 9.11,24 ARA).

Os reformadores da Igreja no passado declararam: Solus Christus. Somente Cristo. Ele é suficiente. Essa frase é fundamento de fé para os evangélicos neste ponto. E faz grande diferença entre evangélicos e católicos.

II. Sobre a prática do culto

Antes de pontuarmos a diferença entre os grupos religiosos, vamos definir culto? Algumas definições na nossa língua:

Homenagem prestada ao que é considerado sagrado ou divino; a maneira através da qual uma divindade é adorada”. (1)

Veneração a uma divindade”. (2)

No contexto religioso litúrgico, um culto (do termo latino cultu) constitui um conjunto de atitudes e ritos pelos quais um grupo de fiéis adora uma divindade”. (3)

Forma pela qual se presta homenagem à divindade […] Veneração; respeito”. (4)

Resumindo as definições supracitadas numa frase, culto quer dizer: “religiosamente falando, é uma homenagem, veneração, respeito que se presta ao divino”.

NO QUE CRÊ A IGREJA CATÓLICA?

Os católicos prestam três tipos de cultos: Hiperdulia, dulia e latria. Vejamos cada culto:

Culto hiperdulia: Segundo a Wikipédia, que é a enciclopédia popular da internet, diz que “Hiperdulia (do grego υπερδουλεια; alta veneração) é um termo teológico utilizado pelas Igrejas Católica e Ortodoxa que significa a honra e o culto de veneração especial devotado a Nossa Senhora. Este culto à Nossa Senhora é feito através da liturgia, que é o culto oficial e obrigatório da Igreja Católica, e também, em maior intensidade, através da piedade popular, que é o culto católico privado. No campo da piedade popular, destacam-se as devoções feitas à Virgem Maria, como por exemplo o Santo Rosário, o Angelus, o Imaculado Coração de Maria, a peregrinação aos lugares onde Maria apareceu, as procissões, etc. A hiperdulia, que está inserido na dulia, diferencia-se muito da latria, que é o culto de adoração prestado e dirigido unicamente a Deus”. (5) No dicionário Aulete Digital define hiperdulia: “culto superior ao de dulia, que se consagra especialmente à Virgem Maria…”. (6)

Culto dulia: Na Wikipédia também consta: “No cristianismo, Dulia (do grego δουλεια, ‘douleuo’ que significa ‘honrar’), é um termo teológico que significa a honra e culto de veneração devotados aos santos. A veneração especial devotada a Maria chama-se hiperdulia (‘υπερδουλεια). É praticado pelas Igrejas Católica, Ortodoxa e alguns grupos anglo-católicos da Igreja Anglicana. Este culto aos Santos e à Nossa Senhora é feito através da liturgia, que é o culto oficial e obrigatório da Igreja Católica, e também, em maior intensidade, através da piedade popular, que é o culto católico privado. No campo da piedade popular, destacam-se a veneração de imagens (desde que não se trate de idolatria) - chamada iconodulia -, as procissões, as peregrinações e as múltiplas devoções feitas à Virgem Maria (Santo Rosário, Angelus, Imaculado Coração de Maria, etc.), ao Anjo da Guarda e aos Santos (novenas, trezenas). A dulia e a hiperdulia diferenciam-se muito da latria, que é o culto de adoração prestado e dirigido unicamente a Deus”. (7) No dicionário Aulete Digital define dulia: “culto que se rende aos santos e anjos”. (8)

Culto latria: Do grego (λατρεια, "latreuo" que significa “adorar”), latria é um termo teológico utilizado pelas Igrejas Católica e Ortodoxa que significa o culto de adoração devida e dada somente a Deus, ou seja, à Santíssima Trindade. Este culto a Deus é feito através da liturgia da palavra, que é o culto oficial e obrigatório da Igreja Católica, e também através da piedade popular, que é o culto católico privado. No campo da piedade popular, destacam-se as devoções feitas a Deus (consagração do dia), a Jesus (visita ao Santíssimo Sacramento, a “via-sacra”, o Sagrado Coração de Jesus) e ao Espírito Santo (invocação). No campo da liturgia, destaca-se indubitavelmente a Missa, que é a celebração da Eucaristia e do Mistério Pascal de Jesus. O termo Alatria refere-se à negação de adorar a Deus. A latria diferencia-se da dulia, que é o culto de veneração prestado aos Santos, sendo a hiperdulia a veneração especial dedicada à Virgem Maria”. (9) No dicionário Aulete Digital define latria: “Culto de adoração a Deus. Adoração, amor demasiado a qualquer coisa ou ser”. (10)

No Catecismo da Igreja Católica, reitera a prática da dulia e hiperdulia na iconodulia, onde diz: “O culto cristão das imagens não é contrário ao primeiro mandamento, que proíbe os ídolos. De fato, ‘a honra prestada a uma imagem se dirige ao modelo Original’, e ‘quem venera uma imagem venera a pessoa que nela está pintada’. A honra prestada às santas imagens é uma ‘veneração respeitosa’, e não uma adoração, que só compete a Deus: Oculto da religião não se dirige às imagens em si como realidades, mas as considera em seu aspecto próprio de imagens que nos conduzem ao Deus encarnado. Ora, o movimento que se dirige à imagem enquanto tal não termina nela, mas tende para a realidade da qual é imagem”. (Catecismo da Igreja Católica pág.561 § 2132). 

NO QUE CRÊ A IGREJA EVANGÉLICA?

Os evangélicos prestam culto unicamente a Deus. Jesus deixou bem claro isso ao ser tentado pelo Diabo no deserto: “Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto.” (Mateus 4.10 ARA). No Novo Testamento grego Textus Receptus você encontrará a frase de Jesus: “upage satana gegraptai gar kurion ton yeon sou proskunhseiv kai autw monw latreuseiv”. Onde temos no final da frase a palavra grega sublinhada “latreuseis” que vem de “latreuo” que quer dizer: “no NT, prestar serviço religioso ou reverência, adorar” (11). Jesus disse para o Diabo que era terminantemente errado prestar serviço religioso ou reverência ou adoração exceto a Deus. E também encontramos outra palavra grega sublinhada antes desta é “proskuneseis” que vem de “proskuneo” que quer dizer: “no NT, pelo ajoelhar-se ou prostrar-se, prestar homenagem ou reverência a alguém, seja para expressar respeito ou para suplicar”. (11). Jesus disse para o Diabo que devemos ajoelhar-se ou prostrar-se, prestar homenagem ou reverência somente a Deus. Estas palavras de Jesus ao Diabo são do Antigo Testamento na citação dos dez mandamentos: “Não as adorarás (proskuneseis), nem lhes darás culto (latreuseis); porque eu sou o SENHOR, teu Deus, Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem” (Êxodo 20.5 ARA). Faz parte do segundo mandamento. Constam na Bíblia versão grega do Antigo Testamento, a Septuaginta. Onde neste mesmo mandamento diz para não fabricar ídolos (v.4) e nem consequentemente adorá-los (v.5). Temos no dois versos aqui uma junção das palavras que constam no mandamento bíblico: eidwlon com latreuw, ou seja, idolatria. Prática que os evangélicos associam aos católicos, que estes por sua vez alegam que fazem a “iconodulia” (palavra citada na Wikipédia). Ora, nos dicionários supracitados, “dulia” quer dizer culto, assim, iconodulia quer dizer culto ao ícone, que por sua vez quer dizer: “1) Representação artística ou simplesmente religiosa de divindade ou de assuntos de caráter religioso…”. (14) Que não difere em nada com idolatria.

Curiosidade: Das 12 ocorrências da palavra “culto” no Novo Testamento versão ARA nenhuma tem a palavra grega douleia na enciclopédia supracitada, que translitera-se “douleia”. E para completar, a palavra grega está errada na Wikipédia. O certo é douleuw e não douleia (que quer dizer: escravidão, servidão, condição de escravo – 11). Encontramos douleuw em Mateus 6.24 quando Jesus disse: “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas”. No Novo Testamento grego Textus Receptus na frase inicial do versículo encontramos: “oudeiv dunatai dusi kurioiv douleueinonde a palavra final translitera “douleuein” que vem de “douleuo” a dita palavra citada na enciclopédia. Esta palavra significa: “1) ser escravo, servir, prestar serviço. 2) metáfora de obedecer, submeter-se”. (11). Veja que esta palavra não tem o significado proposto de “veneração, honra ou culto”. São altamente espúrios os significados que dão a esta palavra grega. Na verdade a palavra dulia no grego moderno doulia quer dizer “escravo” no grego bíblico é doulos.

Conforme vemos aqui, o culto a Maria seria “alta escravidão, servidão ou submissão ou obediência a Maria” (hiperdulia), o culto aos santos (dulia) seria “escravo, servo ou submisso ou obediente aos santos” e o culto aos ícones (iconodulia) “escravo, servo ou submisso ou obediente dos/aos ícones”. Sendo essas definições espúrias e subliminares, pois a palavra “dulia” não quer dizer “culto” e sim “ser escravo, servir, prestar serviço; metáfora de obedecer, submeter”. Na enciclopédia Wikipédia percebemos uma tendenciosa definição de que dulia quer dizer também veneração, veja: “Em alguns ramos do cristianismo, Veneração (do latim veneratio, do grego δουλια, ‘douleuo’ ou ‘dulia’, que significa ‘honrar’) ou Veneração dos santos descreve a prática de devoção aos santos…”. (20) Veja bem na parte sublinhada que a palavra grega “douleuo” dar-se o significado de “honrar”, todavia essa palavra quer dizer “servir” e é traduzida assim nas Bíblias Católicas. Exemplo: Mateus 6.24 a palavra grega “douleuo” que aparece no manuscritos gregos; traduz-se na Bíblia de Jerusalém por “servir”: “Ninguém pode servir a dois senhores…”. Na Bíblia Ave-Maria faz o mesmo: “Ninguém pode servir a dois senhores…”. Na Bíblia CNBB também. Portanto, “douleuo” não significa honrar ou venerar, mas “servir”. Veneração não vem do grego “douleuo”. E mais uma vez vemos que a palavra grega está errada: coloca-se doulia (escravo no grego moderno), onde o correto seria douleuo (servir, translitera-se “douleuo”). A palavra grega certa para honrar ou venerar é timaw. Exemplo: “tima ton patera sou kai thn mhtera” Isto é: “Honra a teu pai e a tua mãe...” (Mateus 19.19a). Onde “tima” vem de “timao” que quer dizer: “1) estimar, fixar o valor. 2) honrar, ter em honra, reverenciar, venerar. (11). Esta palavra está na versão grega de Êxodos 20.12 o quinto mandamento.

Portanto, os evangélicos prestam culto somente a Deus, pois a tríplice divisão de culto que faz a ICAR é confusa, desafia a inteligência das pessoas de discernir o que é culto. E o termo teológico (dulia) usado para veneração é espúrio e passa uma mensagem subliminar sombria. Os reformadores da Igreja no passado declararam: Soli Deo Gloria (A glória somente a Deus). Essa frase é outra que faz a grande diferença entre evangélicos e católicos.

III. Sobre o sacrifício de Jesus na missa

NO QUE CRÊ A IGREJA CATÓLICA?

Declara a ICAR: “Santa Missa, porque a liturgia na qual se realizou o mistério da salvação termina com o envio dos fiéis (‘missio’: missão, envio) para que cumpram a vontade de Deus em sua vida cotidiana”. (Catecismo da Igreja Católica pág.367 §1332). “… neste divino sacrifício que se realiza na missa, este mesmo Cristo, que se ofereceu a si mesmo uma vez de maneira cruenta no altar da cruz, está contido e é imolado de maneira incruenta, este sacrifício é verdadeiramente propiciatório”. (Catecismo da Igreja Católica pág.377 § 1367/334).

Como vimos acima, para os católicos a missa é uma repetição literal do sacrifício de Jesus. Haja vista que, pela consagração do sacerdote, opera-se a mudança de toda a substância do pão na substância do Corpo de Cristo: “Por ter Cristo, nosso Redentor, dito que aquilo que oferecia sob a espécie do pão era verdadeiramente seu Corpo, sempre se teve na Igreja esta convicção, que O santo Concílio declara novamente: pela consagração do pão e do vinho opera-se a mudança de toda a substância do pão na substância do Corpo de Cristo Nosso Senhor e de toda a substância do vinho na substância do seu Sangue; esta mudança, a Igreja católica denominou-a com acerto e exatidão transubstanciação”. (Catecismo da Igreja Católica pág.380 § 1376). Todas as vezes que a missa é celebrada opera-se a obra da redenção repetidas vezes, tornando-se sempre atual o sacrifício da cruz: “O memorial recebe um sentido novo no Novo Testamento. Quando a Igreja celebra a Eucaristia, rememora a páscoa de Cristo, e esta se toma presente: o sacrifício que Cristo ofereceu uma vez por todas na cruz torna-se sempre atual: ‘Todas as vezes que se celebra no altar o sacrifício da cruz, pelo qual Cristo nessa páscoa foi imolado, efetua-se a obra de nossa redenção”. (Catecismo da Igreja Católica pág.376 § 1364).

NO QUE CRÊ A IGREJA EVANGÉLICA?

A igreja evangélica não celebra missa, celebra o culto da ceia do Senhor ou santa ceia. Para os evangélicos a missa foi celebrada uma única fez no ano 33 d.C. quando o Senhor Jesus morreu na cruz. A obra da redenção foi um ato único (veja Hebreus 7.27; 9.12,26; 10.10). Por isso a igreja evangélica celebra a ceia instituída pelo Senhor apenas em memória a sua morte na cruz (1Coríntios 11.23-26) conforme Ele disse: “fazei isto em memória de mim” (Lucas 22.19b). A palavra grega usada no texto é anamnesin (memória) vem da palavra anamnesiv que quer dizer: “lembrança, recordação”. (11). E não levam ao pé da letra as afirmações feitas por ele na santa ceia e nem na narrativa de João 6.53-57 haja vista que tudo se explica no contexto (v.63). Pois quando nosso Senhor Jesus toma o pão na ceia da Páscoa e diz: “… Tomai, comei; isto é o meu corpo” (Mateus 26.26b), ele não poderia estar presente em corpo e o pão se transformar também em seu corpo, teríamos ali dois Jesus, dois Senhores, dois Cristos. O mesmo se dar quando o sacerdote católico consagra o pão da Eucaristia tem-se dois Jesus, dois Senhores, dois Cristos, uma vez que este está vivo nos céus a direita do Pai (Colossenses 3.1). Isto é para os teólogos e apologistas evangélicos uma heresia, pois a Bíblia nos ensina que: “há um só Senhor, uma só fé, um só batismo” (Efésios 4.5 ARA), sendo, portanto, uma interpretação errada das passagens bíblicas. E também diz: “Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também seja corrompida a vossa mente e se aparte da simplicidade e pureza devidas a Cristo. Se, na verdade, vindo alguém, prega outro Jesus que não temos pregado, ou se aceitais espírito diferente que não tendes recebido, ou evangelho diferente que não tendes abraçado, a esse, de boa mente, o tolerais.” (2 Coríntios 11.3-4 ARA). O próprio Jesus disse: “porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos. Vede que vo-lo tenho predito. Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto!, não saiais. Ou: Ei-lo no interior da casa!, não acrediteis. Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até no ocidente, assim há de ser a vinda do Filho do Homem.” (Mateus 24.24-27 ARA).

IV. Sobre a vida conjugal de Maria

NO QUE CRÊ A IGREJA CATÓLICA?

Para os católicos Maria continuou virgem depois de ter dado a luz a seu filho Jesus Cristo: “Maria ‘permaneceu Virgem concebendo seu Filho, Virgem ao dá-lo à luz, Virgem ao carregá-lo, Virgem ao alimentá-lo de seu seio, Virgem sempre”. (Catecismo da Igreja Católica pág.143 § 510). A igreja ensina que as passagens bíblicas falam dos irmãos de Jesus como sendo filhos de uma outra Maria, discípula de Cristo: “A Igreja sempre entendeu que essas passagens não designam outros filhos da Virgem Maria: com efeito, Tiago e José, ‘irmãos de Jesus’ (Mt.13.55), são os filhos de uma Maria discípula de Cristo que significativamente é designada como ‘a outra Maria’ (Mt.28.1). Trata-se de parentes próximos de Jesus, consoante uma expressão conhecida do Antigo Testamento”. (Catecismo da Igreja Católica pág.141 § 500).

NO QUE CRÊ A IGREJA EVANGÉLICA?

Para os evangélicos Maria teve outros filhos: “Não é este o filho do carpinteiro? Não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos, Tiago, José, Simão e Judas?” (Mateus 13.55 ARA), que não são irmãos na fé de Jesus, se assim fora não o teriam desacreditado: “Pois nem mesmo os seus irmãos criam nele.” (João 7.5 ARA), Jesus era filho primogênito de Maria: “e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.” (Lucas 2.7 ARA). A palavra primogênito quer dizer “o filho mais velho” (dicionário da Bíblia de Almeida). No dicionário comum temos:

Que nasceu primeiro, que é mais velho em relação aos seus irmãos”. (15)

Que ou aquele que nasceu antes dos outros irmãos; filho mais velho”. (16)

Aquele que é o primeiro filho do casal; o filho mais velho”. (17)

A palavra grega que Lucas deveria ter escrito (em Lc.2.7), se fosse Jesus filho único de Maria, era monogenhv, que quer dizer: “único do seu tipo, exclusivo. Usado para os filhos ou filhas únicos”. (11) Mas a que está no manuscrito grego é prwtotokon, que vem de prwtotokov significa: “primogênito”. (11)

Não há dúvidas de que Maria não permaneceu virgem após o parto de Jesus. O texto bíblico é claro. A profecia é correta quanto ao nascimento de Jesus, que ele viria de uma virgem (Isaías 7.14; Mateus 1.18-24), os evangélicos reconhecem isto. Mas, não aceitam que Maria permanecesse virgem, devido ela ser casada, e como toda mulher casada não há mácula na relação marido e mulher: “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros.” (Hebreus 13.4 ARA). Maria e José eram casados, portanto, um pertencia ao outro: “O marido conceda à esposa o que lhe é devido, e também, semelhantemente, a esposa, ao seu marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim o marido; e também, semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim a mulher. Não vos priveis um ao outro, salvo talvez por mútuo consentimento, por algum tempo, para vos dedicardes à oração e, novamente, vos ajuntardes, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência.” (1 Coríntios 7.3-5 ARA)

Segundo a narrativa do Novo Testamento, José se resguardou só até o nascimento de Jesus: “Despertado José do sono, fez como lhe ordenara o anjo do Senhor e recebeu sua mulher. Contudo, não a conheceu, enquanto ela não deu à luz um filho, a quem pôs o nome de Jesus.” (Mateus 1.24-25 ARA). A palavra grega que traduz-se “conheceu” é eginwskeo esta palavra vem de ginwskw que quer dizer: “1) chegar a saber, vir a conhecer, obter conhecimento de, perceber, sentir. 2) conhecer, entender, perceber, ter conhecimento de. 3) expressão idiomática judaica para relação sexual entre homem e mulher. 4) tornar-se conhecido de, conhecer”. (11). Observe o item 3) que está sublinhado, este é outro motivo pelo qual os evangélicos não acreditam na perpetuação da virgindade de Maria. Na anunciação do anjo, Lucas narra que Maria não havia se relacionado sexualmente com ninguém: “Então, disse Maria ao anjo: Como será isto, pois não tenho relação com homem algum?” (Lucas 1.34 ARA). A palavra de onde traduz-se “relação” vem da mesma raiz grega ginwsko. Onde no manuscrito grego esta exatamente assim. Todos os manuscritos gregos estão assim: tanto o Textus Receptus, quanto o Alexandrino, quanto o Bizantino. Na versão grega do Antigo Testamento (a Septuaginta) esta mesma palavra grega aparece flexionada como egnw veja:

"Coabitou (egnw) o homem com Eva, sua mulher. Esta concebeu e deu à luz a Caim; então, disse: Adquiri um varão com o auxílio do SENHOR.” (Gênesis 4.1 ARA).

E coabitou (egnw) Caim com sua mulher; ela concebeu e deu à luz a Enoque. Caim edificou uma cidade e lhe chamou Enoque, o nome de seu filho.” (Gênesis 4.17 ARA).

E também como egnwken veja:

Agora, pois, matai, dentre as crianças, todas as do sexo masculino; e matai toda mulher que coabitou (egnwken) com algum homem, deitando-se com ele.” (Números 31.17 ARA).

Ambas derivam de ginwskw que tem a definição 3) como “expressão idiomática judaica para relação sexual entre homem e mulher”. Essas palavras são comuns no Novo Testamento grego. Por exemplo aparece no verso: “Pai justo, o mundo não te conheceu (egnw); eu, porém, te conheci, e também estes compreenderam que tu me enviaste.” (João 17.25 ARA); etc. E aparece no verso: “sabedoria essa que nenhum dos poderosos deste século conheceu (egnwken); porque, se a tivessem conhecido, jamais teriam crucificado o Senhor da glória;” (1 Coríntios 2.8 ARA); etc. Claro que nestes casos vai ter o significado 1) 2) 4) do léxico grego e não o 3).

Curiosidade: O Catecismo da Igreja Católica relacionar Mt.13.55 com Mt.28.1 é um enorme chute na dificuldade bíblica sobre o assunto. Os filhos citados em Mt.13.55 são de Maria, esposa de José (mãe de Jesus), essa “outra Maria” de Mt.28.1 não prova nada que os irmãos de Jesus não são filhos da Mãe de Jesus. No texto correlato de Marcos não usa o termo “outra Maria”, ele diz: “Passado o sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé, compraram aromas para irem embalsamá-lo.” (Marcos 16.1 ARA observe a parte sublinhada), antes deste episódio, Mateus cita uma Maria: “entre elas estavam Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e de José, e a mulher de Zebedeu.” (Mateus 27.56 ARA observe a parte sublinhada) este texto é correlato de Jo.19.25? Essa “outra Maria” é a Maria “mãe de Tiago”, não o Tiago irmão de Jesus citado junto a outros três em Mt.13.55, mas o Tiago filho da Maria que deve ser esposa de Clopas? “E junto à cruz estavam a mãe de Jesus, e a irmã dela, e Maria, mulher de Clopas, e Maria Madalena.” (João 19.25 ARA). Entretanto, em meio a dúvidas, no mesmo evangelho de Mateus encontramos um texto correlato a/ e contexto de Mt.13.55: “E alguém lhe disse: Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar-te.” (Mateus 12.47 ARA observe a parte sublinhada). Esta mãe de Jesus e os irmãos que estão querendo falar com ele não tem nada a ver com essa “outra Maria”, é Maria mãe de Jesus. Logo os irmãos de Jesus citados em Mt.13.55 são filhos de Maria, mãe de Jesus. Vamos tirar a teima:

Quantas Marias temos envolvidas nesta questão? Vejamos as Marias citadas acima:

1) Mãe de Jesus: “E alguém lhe disse: Tua mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar-te.” (Mateus 12.47 ARA). “Não é este o filho do carpinteiro? Não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos, Tiago, José, Simão e Judas?” (Mateus 13.55 ARA).

2) Mãe de Tiago: “Passado o sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé, compraram aromas para irem embalsamá-lo.” (Marcos 16.1 ARA).

3) Mulher de Clopas: “E junto à cruz estavam a mãe de Jesus, e a irmã dela, e Maria, mulher de Clopas, e Maria Madalena.” (João 19.25 ARA).

4) Mãe de Tiago e José: “entre elas estavam Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e de José, e a mulher de Zebedeu.” (Mateus 27.56 ARA).

Quantas Marias existem no Novo Testamento? E vejamos qual está envolvida na questão:

1) Maria mãe de Jesus (Mateus 1.16) – sim, envolvida na questão acima
2) Maria irmã de Marta e Lázaro (Lc.10.38,39) – não envolvida
3) Maria Madalena (Mt.27.56) – não envolvida
4) Maria esposa de Clopas (Jo.19.25) – sim, envolvida na questão acima
5) Maria Mãe de João Marcos (At.12.12) – não envolvida
6) Maria uma cristã que Paulo saúda (Rm.16.6) – não envolvida

Resultado final: Existem cinco Marias, e somente duas Marias estão envolvidas diretamente com a questão acima: Maria, esposa de José e Maria, esposa de Clopas (duas mulheres casadas). Logo, Maria esposa de Clopas é, possivelmente, a mãe do Tiago e do José citados em Mt.27.56 e Mc.16.1 e a Maria mãe de Jesus é sim a mãe de Tiago, José, Simão e Judas citados em Mt.13.55. Pois a Maria, esposa de Clopas, não poderia ser também mãe de Jesus. Assim, temos o Tiago e José filhos de Maria, esposa de Clopas, e o Tiago, José, Simão e Judas filhos de Maria, esposa de José, mãe de Jesus. E o contexto fala também de suas irmãs (Mt.13.56).

E ainda, o argumento do Catecismo da Igreja Católica de que estes irmãos de Jesus são “parentes próximos de Jesus, consoante uma expressão conhecida do Antigo Testamento” é outro problema. Pois, é mais comum usar a palavra grega suggenhv para parentes do que adelfov. Vejamos um texto correlato: “E Isabel, tua parenta (suggenhv), igualmente concebeu um filho na sua velhice, sendo este já o sexto mês para aquela que diziam ser estéril.” (Lucas 1.36 ARA). A palavra grega suggenhv quer dizer: “1) da mesma família, semelhante a, parente de sangue. 2) num sentido mais amplo, da mesma nação, compatriota”. (11). Enquanto que Mt.12.47 e 13.55 não aparece suggenhv. O que tem no manuscrito grego é adelfoi que vem de adelfov, quer dizer: “1) um irmão, quer nascido dos mesmos pais ou apenas do mesmo pai ou da mesma mãe. 2) tendo o mesmo antepassado nacional, pertencendo ao mesmo povo ou compatriota. 3) qualquer companheiro ou homem. 4) um fiel companheiro, unido ao outro pelo vínculo da afeição. 5) um associado no emprego ou escritório. 6) irmãos em Cristo”. (11) Na versão grega do Antigo Testamento (a Septuaginta), esta palavra grega adelfov aparece em Gn.4.9: “Disse o SENHOR a Caim: Onde está Abel, teu irmão (adelfov)? Ele respondeu: Não sei; acaso, sou eu tutor de meu irmão (adelfou)?” (Gênesis 4.9 ARA). A referência de rodapé do Catecismo da Igreja Católica cita Gn.13.8; 14.16 e 29.15 como prova de que os irmãos de Jesus são parentes próximos. É um “tiro de raspão”, pois na versão grega do Antigo Testamento, a Septuaginta, nas referidas passagens, a palavra grega adelfov está presente, tratando-se de parentes. Todavia, não acerta no alvo, pois as 233 ocorrências da palavra irmão (no singular) na Bíblia versão ARA comparada com a Septuaginta usa-se adelfov. Olhando por cima, percebo que a predominância é que associam-se com irmãos de pais ou com patriotas ou com o resto das definições que dão o léxico grego desta palavra (11). Na versão ARA comparada com a Septuaginta aparecem 22 ocorrências da palavra parente (no singular e plural), todas têm adelfov. São exceções a regra e não a regra de adelfov. A palavra grega certa para parente deveria ser suggenhv. O dicionário que uso não tem definição de parente para adelfov. Veja que em todo o Novo Testamento a palavra parente tem 11 ocorrências, na versão ARA comparada ao Textus Receptus (no singular, plural e feminino) todas têm suggenhv. As demais ocorrências aparecem a palavra irmão (no singular e plural) o que pude perceber nas 326 palavras é a predominância de adelfov. E olhando por cima, percebi que elas referem-se as definições supracitadas do léxico. (11) No Novo Testamento a regra para parente é suggenhv e não tem nenhuma exceção. Assim, o argumento do Catecismo da Igreja Católica de que os irmãos de Jesus são parentes próximos não tem sustentação dentro do Novo Testamento grego.

V. Sobre a imaculada conceição de Maria

NO QUE CRÊ A IGREJA CATÓLICA?

Para os católicos, Maria foi concebida sem pecado: “Desde o primeiro instante de sua concepção, foi totalmente preservada da mancha do pecado original e permaneceu pura de todo pecado pessoal ao longo de toda a sua vida”. (Catecismo da Igreja Católica pág.143 § 508). O dogma da imaculada conceição de Maria é defendido no Catecismo da Igreja Católica nas páginas 138 e 139 § 490-493:

Para ser a Mãe do Salvador, Maria ‘foi enriquecida por Deus com dons dignos para tamanha função’. No momento da Anunciação, o anjo Gabriel a saúda como ‘cheia de graça’. Efetivamente, para poder dar o assentimento livre de sua fé ao anúncio de sua vocação era preciso que ela estivesse totalmente sob a moção da graça de Deus”.

Ao longo dos séculos, a Igreja tomou consciência de que Maria, ‘cumulada de graça’ por Deus, foi redimida desde a concepção. E isso que confessa o dogma da Imaculada Conceição, proclamado em 1854 pelo papa Pio IX. A beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua Conceição, por singular graça e privilégio de Deus onipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do gênero humano foi preservada imune de toda mancha do pecado original”.

Esta ‘santidade resplandecente, absolutamente única’ da qual Maria é ‘enriquecida desde o primeiro instante de sua conceição’ lhe vem inteiramente de Cristo: ‘Em vista dos méritos de seu Filho, foi redimida de um modo mais sublime’. Mais do que qualquer outra pessoa criada, o Pai a ‘abençoou com toda a sorte de bênçãos espirituais, nos céus, em Cristo’ (Ef.1.3). Ele a ‘escolheu nele (Cristo), desde antes da fundação do mundo, para ser santa e imaculada em sua presença, no amor’ (Ef.1.4)”.

Os Padres da tradição oriental chamam a Mãe de Deus ‘a toda santa’ (‘Pan-hagia’; pronuncie ‘pan-haguía’), celebram-na como ‘imune de toda mancha de pecado, tendo sido plasmada pelo Espírito Santo, e formada como uma nova criatura’. Pela graça de Deus, Maria permaneceu pura de todo pecado pessoal ao longo de toda a sua vida”.

NO QUE CRÊ A IGREJA EVANGÉLICA?

Para os evangélicos, Maria nasceu com o pecado original porque a Bíblia não afirma o contrário. Há referências que incluem-na como toda a humanidade no pecado: “como está escrito: Não há justo, nem um sequer, […] todos se extraviaram, a uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer […] porque não há distinção, pois todos pecaram e carecem da glória de Deus,” (Romanos 3.10,12,22b,23 ARA). A declaração dos anjos aponta a santidade no seu sentido pleno como algo exclusivamente de Deus: “Quem não temerá e não glorificará o teu nome, ó Senhor? Pois só tu és santo; por isso, todas as nações virão e adorarão diante de ti, porque os teus atos de justiça se fizeram manifestos.” (Apocalipse 15.4 ARA).

Os teólogos e apologistas evangélicos vêm a concepção de Maria sem pecado como uma argumentação fatal, pois para que Maria viesse a nascer sem pecado sua mãe, a avó de Jesus, teria que também nascer sem pecado. Pois a concepção em pecado ocorre por meio da geração de mãe para filho. Veja: “Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe.” (Salmos 51.5 ARA). A inclinação pecaminosa foi passada de Adão para todos os seus descendentes: “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram.” (Romanos 5.12 ARA). Por isso já nascemos em iniquidade, inclusive Maria. Veja o que diz a Bíblia: “E o SENHOR aspirou o suave cheiro e disse consigo mesmo. Não tornarei a amaldiçoar a terra por causa do homem, porque é mau o desígnio íntimo do homem desde a sua mocidade; nem tornarei a ferir todo vivente, como fiz.” (Gênesis 8.21 ARA). Diz também: “Não há homem justo sobre a terra que faça o bem e que não peque.” (Eclesiastes 7.20 ARA). Assim, se Deus preservou Maria de nascer em pecado, teria que preservar toda a sua geração: mãe, avó, bisavó, tataravó, e, enfim chegaríamos em Eva. Aquela que primeiro pecou: “E Adão não foi iludido, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão.” (1 Timóteo 2.14 ARA). Contra-argumentar que Deus preservou somente Maria compromete a doutrina do nascimento virginal de Jesus e de sua concepção pelo Espírito Santo. Pois torna-os sem sentido. Ora, vejam só: porque Jesus é santo sem pecado? Porque nasceu por concepção virginal e por obra do Espírito Santo. Se Deus preservou Maria de ter uma concepção em pecado tudo isso torna-se desnecessário, inócuo. Não precisava Jesus nascer por concepção virginal e nem por obra do Espírito Santo. Deus poderia ter feito Jesus nascer sem pecado dispensando a necessidade de ser por uma virgem e do Espírito Santo ter fecundado-o no ventre de uma virgem. Logo, Maria é fruto de uma relação comum de seu pai com sua mãe, e ela nasceu pecadora, como todos os homens, exceto Jesus: “Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: estando Maria, sua mãe, desposada com José, sem que tivessem antes coabitado, achou-se grávida pelo Espírito Santo. Mas José, seu esposo, sendo justo e não a querendo infamar, resolveu deixá-la secretamente. Enquanto ponderava nestas coisas, eis que lhe apareceu, em sonho, um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo.” (Mateus 1.18-20 ARA). Se Maria tivesse nascido sem pecado não declararia Deus como seu salvador: “Então, disse Maria: A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador,” (Lucas 1.46-47 ARA).

VI. Sobre o vigário de Cristo, o guia e mestre da Igreja

NO QUE CRÊ A IGREJA CATÓLICA?

Para os católicos, o vigário de Jesus na Terra é o Papa: “Com efeito, o Pontífice Romano, em virtude de seu múnus de Vigário de Cristo e de Pastor de toda a Igreja, possui na Igreja poder pleno, supremo e universal. E ele pode exercer sempre livremente este seu poder”. (Catecismo da Igreja Católica pág.253 § 882/1595) O guia (pastor) e mestre (doutor) da igreja: “Goza desta infalibilidade o Pontífice Romano, chefe do colégio dos Bispos, por força de seu cargo quando, na qualidade de pastor e doutor supremo de todos os fiéis e encarregado de confirmar seus irmãos na fé, proclama, por um ato definitivo, um ponto de doutrina que concerne à fé ou aos costumes”. (Catecismo da Igreja Católica pág.255 § 891).

NO QUE CRÊ A IGREJA EVANGÉLICA?

Para os evangélicos, o vigário de Jesus na Terra é o Espírito Santo: “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós.” (João 14.16-17 ARA). O termo “Vigário” quer dizer “Indivíduo que substitui outro em determinada função”. (18) Vigário vem do latim “Vicarius”, de acordo com a Wikipédia: “Vicarius é uma palavra latina, que significa substituto ou vice”. (19) No caso de Jo.14.16-17 o Espírito Santo é colocado como o “substituto” de Jesus, o Vigário de Cristo. A palavra grega empregada ao Espírito Santo como substituto de Jesus está na frase: allon paraklhton, a primeira palavra vem de allos significa: outro, diferente (11); e a segunda vem de paraklhtov significa: “chamado, convocado a estar do lado de alguém, esp. convocado a ajudar alguém”. (11). Sem dúvidas é ele quem ficou em lugar de Jesus. Está escrito sobre ele: “Mas eu vos digo a verdade: convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei. Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: do pecado, porque não creem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e não me vereis mais; do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado.” (João 16:7-11 ARA). Isso se cumpriu a partir da descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes (Atos 2), foi quando nasceu a Igreja de Jesus, com o seu vigário de Cristo legítimo.

Para os evangélicos o Espírito Santo também é o guia e o mestre da Igreja: “quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir.” (João 16.13 ARA). “mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito.” (João 14.26 ARA). Observe as partes sublinhadas. Os evangélicos entendem que existem lideranças na Igreja de Cristo, que possuem dom de ensino (Rm.12.7), de mestre, de pastor (Ef.4.11). Mas, esses dons provêm do Espírito Santo: “Ora, os dons são diversos, mas o Espírito é o mesmo.” (1 Coríntios 12.4 ARA). O doutor da Igreja é o Espírito Santo.

VII. Sobre quem é a pedra que sustenta a Igreja de Cristo

NO QUE CRÊ A IGREJA CATÓLICA?

Para os católicos, Pedro é a pedra que sustenta a Igreja de Cristo: “Somente Simão, a quem deu o nome de Pedro, o Senhor constituiu em pedra de sua Igreja. Entregou-lhe as chaves da mesma, instituiu-o pastor de todo o rebanho.”. (Catecismo da Igreja Católica pág.253 § 881/1591/1592). E como Pedro foi impedido de prosseguir nesta função pela sua morte, todos os Papas que são sucessores dele: “O Papa, Bispo de Roma e sucessor de São Pedro, é o perpétuo e visível princípio e fundamento da unidade, quer dos Bispos, quer da multidão dos fiéis”. (Catecismo da Igreja Católica pág.253 § 882a). E essa linha de sucessão permanece até que Cristo venha. Pois, como Pedro é a pedra, e é mortal, torna-se necessária essa sucessão.

NO QUE CRÊ A IGREJA EVANGÉLICA?

Para os evangélicos, Pedro e os demais apóstolos são o fundamento da Igreja de Cristo, mas Pedro não é a pedra. Para os evangélicos a pedra é Jesus. Vejamos as passagens bíblicas onde os evangélicos se embasam:

edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular;” (Efésios 2.20 ARA). Vejamos esta citação no manuscrito grego Textus Receptus: epoikodomhyentev epi tw yemeliw twn apostolwn kai profhtwn ontov akrogwniaiou autou ihsou cristou. Observe a palavra sublinhada, esta palavra é traduzida como “pedra angular”. Vem do grego akrogwniaios significa: “localizado em um canto extremo, a pedra de esquina de fundação”. (11) Palavra acompanhada as vezes de liyov (Pedra: metáfora de Cristo – 11); ela aparece em Mc.12.10; Lc.20.17; At.4.11; 1Pe.2.6; atestada na versão grega do Antigo Testamento, a Septuaginta, em: Sl.118.22; Is.28.16; Dn.2.45; etc. Nesta passagem a pedra da igreja é Jesus e não Pedro.

Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo.” (1 Coríntios 3.11 ARA). Este “fundamento” é Jesus. A palavra grega no texto é yemelion vem de yemeliov significa: “1) assentado como fundamento, fundamento (de uma construção, parede, cidade). 2) metáf. fundamentos, bases, princípios básicos”. (11). Vemos aqui que o apóstolo Paulo assevera que não podemos pôr outro fundamento, Jesus é o fundamento, ele é a pedra. Colocar Pedro como pedra é lançar outro fundamento.

e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo.” (1 Coríntios 10.4 ARA). Vejamos esta citação no manuscrito grego Textus Receptus: kai pantev to auto poma pneumatikon epion epinon gar ek pneumatikhv akolouyoushv petrav h de petra hn o cristov. Vejam as palavras sublinhadas. A as palavras gregas vem de petra significa: “rocha, penhasco ou cordilheira de pedra”. (11). Esta palavra aparece lá na passagem bíblica de Mt.16.18 em que os teólogos católicos se embasam para afirmar que Pedro é a pedra da Igreja de Cristo. Quando Jesus diz para Pedro: kagw de soi legw oti su ei petrov kai epi tauth th petra oikodomhsw mou thn ekklhsian kai pulai adou ou katiscusousin authv. Na tradução diz: “Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.” (Mateus 16.18 ARA). Observe a palavra sublinhada. É a mesma do verso que estou citando aqui, que é petra. Logo não podemos ter duas pedras. Ou Jesus é a pedra ou Pedro é a pedra. O apóstolo Paulo afirma claramente que petra é Jesus. Em quem devemos acreditar? Na Bíblia ou no Catecismo da Igreja Católica da ICAR? Os evangélicos preferem ficar com a Bíblia.

também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo. Pois isso está na Escritura: Eis que ponho em Sião uma pedra angular, eleita e preciosa; e quem nela crer não será, de modo algum, envergonhado. Para vós outros, portanto, os que credes, é a preciosidade; mas, para os descrentes, A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular e: Pedra de tropeço e rocha de ofensa. São estes os que tropeçam na palavra, sendo desobedientes, para o que também foram postos.” (1 Pedro 2.5-8 ARA). Aqui o apóstolo Pedro disserta sobre Jesus como a pedra citada no Antigo Testamento. Pedro cita a seguinte passagem bíblica: “Portanto, assim diz o SENHOR Deus: Eis que eu assentei em Sião uma pedra, pedra já provada, pedra preciosa, angular, solidamente assentada; aquele que crer não foge.” (Isaías 28.16 ARA). Pedro aponta Jesus como a pedra de Sião. Isto é, o messias prometido. Na passagem de Mt.16.18 em que os teólogos católicos se embasam para afirmar que Pedro é a pedra da Igreja de Cristo. Quando olhamos para o contexto dela Jesus pergunta aos discípulos: “Mas vós, continuou ele, quem dizeis que eu sou?” (Mateus 16.15 RA). E quem responde na frente de todos é Pedro afirmando, aquilo que aqui em sua carta recitando o profeta Isaías 28.16 ele declara ser, que Jesus é a pedra (o messias). Acompanhe na sequência do contexto: “Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” (Mateus 16.16 ARA). A primeira frase de Pedro é: “Tu és o Cristo”. No manuscrito grego: su ei o cristov. Onde cristov quer dizer: “1) Cristo era o Messias, o Filho de Deus. 2) ungido”. (11). Obviamente, o que Jesus vem a dizer depois disso é reiterar as palavras de Pedro:

Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.” (Mateus 16.18 ARA). Nesta última passagem os teólogos evangélicos se embasam (não somente os teólogos católicos) que a pedra é Jesus. Conforme acompanhamos acima, aqui vemos Jesus reiterar: “sobre esta pedra edificareis a minha igreja”. No manuscrito grego diz: epi tauth th petra oikodomhsw mou thn ekklhsian. Observe a palavra sublinhada. Já expliquei sobre ela mais acima. É a mesma palavra grega que Paulo usa quando fala que Jesus é a pedra (petra) em 1Coríntios 10.4.

Curiosidade: Há um mito dos teólogos e apologistas católicos de que por Pedro ou Cefas ou Simão (seus nomes como era conhecido) significar “pedra” então a passagem bíblica de Mt.16.18 está associando Pedro como a pedra. Pois bem, vamos quebrar esse mito. Ou porque não dizer “dogma”:

A palavra Cefas (nome primitivo de Pedro) quer dizer “pedra” (12), vem do aramaico apyk. No Novo Testamento é colocado em grego kefav. João explica: “e o levou a Jesus. Olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, o filho de João; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro).” (João 1.42 ARA). Observe no texto que João usa os três nomes do apóstolo tão venerado pelos católicos. No manuscrito grego ele escreve: kai hgagen auton prov ton ihsoun embleqav de autw o ihsouv eipen su ei simwn o uiov iwna su klhyhsh khfav o ermhneuetai petrov. (observe as palavras sublinhadas) Jesus modifica o nome do referido apóstolo de Simão (simhwn) para Cefas (khfav). Simão (ouvinte) é de origem hebraica (Nwemv) quer dizer “ouvido”. (13), para Cefas (pedra) que no Novo Testamento grego está petrov que vem em forma aportuguesada como Pedro na maioria das traduções em português. A palavra petrov quer dizer: “uma rocha ou uma pedra” (11). Esta palavra poderia ter sido aplicada na passagem bíblica de Mt.16.18 quando Jesus disse a Pedro: “sobre esta pedra”, mas Mateus não coloca petrov, ele coloca petra que é outra palavra. Porque ele não repetiu a mesma palavra? Ele tinha dito: “tu és Pedro” (petrov) e na frase seguinte diz: “e sobre esta pedra” (petra). Respondendo a pergunta: Por que Jesus não se referia mais a Pedro nesta frase. Pois, petrov é incerta se é “rocha ou pedra”, já petra é certamente “rocha, penhasco, cordilheira de pedra” (11). Mateus, o escritor do texto, fez distinção das palavras gregas que no português a gente nem percebe.

CONCLUSÃO FINAL

A diferença entre evangélicos e católicos são bem claras aqui. E somente por força da Tradição e não da Bíblia que a ICAR se sustenta. Quem é a Palavra de Deus? Obviamente é a Bíblia. Mas a ICAR não se deu por satisfeita, então ao arvorasse de que os Papas são a sucessão de Pedro, por interpretar equivocadamente que este estimado apóstolo seja a pedra de Mt.16.18, se acharam no poder de sucessores a pedra da Igreja de Cristo e assim criaram, aprovaram e reconheceram várias doutrinas que não constam na Bíblia, por exemplo:

Em 593 d.C., o dogma do Purgatório começou a ser ensinado;

Em 789 d.C., iniciou a iconodulia das imagens e das relíquias;

Em 880 d.C., começou a canonização dos santos;

Em 1075 d.C., decidiu-se que os sacerdotes casados devem divorciar-se, compulsoriamente cada um de sua esposa.

Em 1186 d.C., estabeleceu-se a “Santa Inquisição” pelo Concílio de Verona;

Em 1200 d.C., começou o uso do rosário, por São Domingos, chefe da Inquisição;

Em 1220 d.C., iniciou-se a adoração à hóstia;

Em 1229 d.C., proíbe-se aos leigos a leitura da Bíblia;

Em 1311 d.C., criou-se a oração da Ave-Maria;

Em 1546 d.C., foi conferida à Tradição autoridade igual à da Bíblia. E também (no Concílio de Trento) os livros apócrifos, livros a mais na versão grega do Antigo Testamento, a Septuaginta (que não constam no Antigo Testamento hebraico – A Bíblia Hebraica – Tanakh) de onde veio as primeiras traduções em latim das Bíblias católicas, foram canonizados e por isso classificados como “deuterocanônicos” (canonizados depois). Veja abaixo na captura de imagens da Bíblia Hebraica, observe que não tem os livros que a ICAR considera “deuterocanônicos” (começo: Gênesis; e fim: Crônicas):



* São 39 livros, conforme a Bíblia evangélica. A diferença é que Samuel 1 e 2 é um único livro; Reis 1 e 2 também; Crônicas 1 e 2 também; e Esdras (Ezra) é junto com Neemias 35 livros.

Veja que todas estes ensinos, ritos, aditivos e decisões não encontram apoio na Bíblia, mas foram aceitos como Palavra de Deus por interpretarem ser Pedro a pedra da Igreja de Cristo, e aproveitando-se disso estabeleceram que a Tradição é de autoridade igual à da Bíblia e canonizaram livros apócrifos do Antigo Testamento. Enfim, depois que fizeram isso aprovaram o restante:

Em 1854 d.C., definiu-se o dogma da Imaculada Conceição de Maria;

Em 1864 d.C., declarou-se a autoridade temporal do Papa;

Em 1870 d.C., declarou-se também a infalibilidade papal;

Em 1950 d.C., transformaram em artigo de fé a assunção de Maria.

Tudo fruto de uma má interpretação da Bíblia do evangelho de Mateus 16.18. Existem outras diferenças entre evangélicos e católicos, mas creio que seja o suficiente no momento para dispor aos internautas informações que talvez não saibam.

Fontes bibliográficas:

Bíblia Hebraica. Editora Sêfer, edição 2006.
Manuscrito grego Textus Receptus. Bíblia digital Online 3.0 módulo avançado, SBB.
LXX – Septuaginta. Bíblia digital Online 3.0 módulo avançado, SBB.
Seitas e Heresias – um sinal dos tempos. Por Raimundo de Oliveira, editora CPAD.
Catecismo da Igreja Católica – Edição Típica Vaticana. Edições Loyola. Ano 2000.
Bíblia ARA – Almeida Revista e Atualizada. Bíblia digital Online, módulo avançado, SBB.
Bíblia ARC – Almeida Revista e Corrigida. Bíblia digital Online, módulo avançado, SBB.
Bíblia de Jerusalém – Edições Paulinas. Edição de 1973.
Bíblia Ave-Maria – 42a edição. Editora Ave-Maria. Edição Claretiana de 1982.
Bíblia da CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Editora Canção Nova 2012.
Séria Arminanismo – Depravação Total. Editora Reflexão 2015.
(1) Dicionário Online de Português https://www.dicio.com.br/culto/ acessado em 29/11/16
(2) Dicionário Aulete Digital http://www.aulete.com.br/culto acessado em 29/11/16
(3) Wikipédia https://pt.wikipedia.org/wiki/Culto acessado em 29/11/16
(4) Dicionário do Aurélio https://dicionariodoaurelio.com/culto acessado em 29/11/16
(5) https://pt.wikipedia.org/wiki/Hiperdulia acessado em 29/11/16
(6) http://www.aulete.com.br/hiperdulia acessado em 29/11/16
(7) https://pt.wikipedia.org/wiki/Dulia acessado em 29/11/16
(8) http://www.aulete.com.br/dulia acessado em 29/11/16
(9) https://pt.wikipedia.org/wiki/Latria acessado em 29/11/16
(10) http://www.aulete.com.br/latria acessado em 29/11/16
(11) Léxico grego de Strong. Bíblia digital Online, módulo avançado, SBB.
(12) Léxico aramaico de Strong. Bíblia digital Online, módulo avançado, SBB.
(13) Léxico hebraico de Strong. Bíblia digital Online, módulo avançado, SBB.
(14) http://www.aulete.com.br/icone acessado em 30/11/16
(15) http://www.aulete.com.br/primogênito acessado em 30/11/16
(16) https://dicionariodoaurelio.com/primogenito acessado em 30/11/16
(17) https://www.dicio.com.br/primogenito/ acessado em 30/11/16
(18) http://www.aulete.com.br/vigário acessado em 30/11/16
(19) https://en.wikipedia.org/wiki/Vicarius acessado em 30/11/16
(20) https://pt.wikipedia.org/wiki/Veneração acessado em 30/11/16


Dúvidas e esclarecimentos escreva para: web-assessoria@bol.com.br
Direito de resposta: coloque abaixo seu comentário e aguarde a liberação do moderador do blog.

Pedimos desculpas se os caracteres gregos e hebraicos não estiverem aparecendo em seu celular. Para visualizá-los corretamente acesse ao blog pelo seu computador.

Nenhum comentário: