sábado, 3 de janeiro de 2015

A DIFERENÇA ENTRE EVANGÉLICOS E TESTEMUNHAS DE JEOVÁ


Muita gente não Evangélica e não cristã pensa que as Testemunhas de Jeová se tratam de um mesmo segmento. Na imprensa e noutras mídias no geral infelizmente fazem essa mistura. Na verdade, as Testemunhas de Jeová é uma facção do protestantismo evangélico. Onde Charles Taze Russell (1852-1916), dissidente da Igreja Presbiteriana, deu início junto com amigos ao pequeno grupo conhecido como “Estudantes da Bíblia”. Foi ele quem começou a publicar a conhecida revista tão distribuída pelas Testemunhas de Jeová hoje: A Sentinela.


Sem mais delongas, o fato é que há grandes diferenças sim entre Evangélicos e as Testemunhas de Jeová. Com o objetivo de esclarecer e informar ao público da internet deixo abaixo algumas dessas diferenças:

NO QUE CRÊ AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ SOBRE O NOME DE DEUS?
Acreditam que Deus tem vários títulos, mas apenas um nome. O nome é JEOVÁ. Acusam que das Bíblias foi retirado e substituído pelos títulos SENHOR ou DEUS. Mas quando se escreveu a Bíblia, o nome JEOVÁ tinha umas 7.000 ocorrências (Cf. brochura “O que Deus Requer de Nós?”, p.4, 2o parágrafo). Fazem deste nome uma doutrina vital, que difere os verdadeiros adoradores (as Testemunhas de Jeová) dos falsos adoradores (as demais denominações cristãs e não cristãs). Transformando o assunto em um cavalo de batalha contra os Evangélicos. 

Todavia, as próprias Testemunhas de Jeová tem dúvidas quanto a pronúncia correta da palavra, se é Jeová, Iahweh ou Javé: “... Não se sabe exatamente como era pronunciado, embora alguns eruditos achem que “Javé” (“Iahweh”) seja a forma correta. No entanto, a forma “Jeová” já está em uso por muitos séculos e é a mais conhecida.” (Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, p.43 v.23). Ainda: “... devemos usar o nome de Deus, embora não o pronunciemos exatamente (?)... Ora, usamos os nomes de outras pessoas na Bíblia, embora não os pronunciemos assim como foram... no hebraico original...” (p.43,44 v.24).

NO QUE CRÊ A IGREJA EVANGÉLICA SOBRE A QUESTÃO DO NOME DE DEUS?
Já os Evangélicos, acreditam que só existe um nome que foi dado entre os homens que importa na salvação: JESUS (At.4.11,12). Quando o confessamos somos salvos (Lc.12.8; Rm.10.9). O nome JESUS é a forma portuguesa do grego “Iesous”, usado 1.139 vezes no N.T. grego por seus discípulos (ex.: Lc.1.31), também usado na LXX, equivalente do hebraico “Yehoshua” (Zc.6.11) ou “Yeshua” (Ed.3.2), suas vogais são originais e seu nome é pronunciável. 

Porém, o nome JEOVÁ, segundo teólogos Evangélicos, vem do hebraico “Yehovah”, que só aparece em 1518 d.C. É uma palavra híbrida, suas vogais e,o,a são emprestadas de outras palavras (`Adonay: Senhor e `Elohiym: Deus) inseridas nas consoantes YHVH. 

Do hebraico transliteramos Yehudah (português: Judá), do hebraico transliteramos `Adam (português: Adão), do hebraico transliteramos Yisra`el (português: Israel) e etc. Já do nome hebraico indicado como o nome de Deus transliteramos YHVH (português: JHVH/IHVH). Isso ocorre porque as vogais se perderam. Segundo teólogos Evangélicos o hebraico bíblico original não continha as vogais. O sistema de vogais que passaram a representar em escrita foi criado posteriormente aos tempos bíblicos pelos conhecidos Massoretas. Assim, a pronúncia desse nome divino é impossível sem as vogais originais que eram usadas, como ocorre com as demais palavras hebraicas. Onde as vogais são conhecidas. Por isso, os tradutores das Bíblias Evangélicas substituíram as consoantes impronunciáveis do nome divino YHVH por SENHOR nas Bíblias ARA/NVI ou por “o Eterno” na NTLH. Na Bíblia ARC traduz Senhor, mas ainda mantém em alguns trechos a palavra híbrida Jeová.

NO QUE ACREDITA AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ SOBRE O ESPÍRITO SANTO?
O Espírito Santo é uma força controlada que Jeová usa para realizar variedades de propósitos. Deus usa essa “força ativa” para criar, para esclarecer seus servos, para energizar as pessoas para serem encorajadas, para executar seus juízos e etc. (brochura “Deve-se Crer na Trindade?”, p.20-22).

NO QUE ACREDITA OS EVANGÉLICOS SOBRE O ESPÍRITO SANTO?
Segundo teólogos Evangélicos, o Espírito Santo é um ser pessoal (Conforme as seguintes passagens bíblicas: Lc.12.12; Jo.14.26; 16.13,14; Ef.4.30). Ele é a terceira “pessoa” da Trindade (Cf. Mt.28.19). Ele é o “outro Ajudador” (Cf. Jo.14.16 na TNM). Segundo teólogos evangélicos, vem do texto original “allos parakletos”. Onde a palavra grega “allos” quer dizer “outro do mesmo tipo” e a palavra “paracletos” significa “advogado” ou “assistente em questões jurídicas”. Ora, se Jesus é um Ajudador (Cf. 1Jo.2.1 TNM), logo o Espírito Santo é o outro Ajudador. Isto é, alguém semelhante a Jesus: Em divindade (Cf. Jo.1.1), em personalidade (Cf. Mt.9.35) e em poder (Cf. Mt.28.18).
Para os apologistas Evangélicos é inconcebível o Espírito Santo ser intitulado de "espírito" como Deus Pai é intitulado assim (Cf. Jo.4.24) os demônios também (Cf. Lc.4.33) que são considerados seres pessoais e o Espírito Santo não ser (Cf. 2Co.3.17).

NO QUE ACREDITA AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ SOBRE DIVINDADES?
As Testemunhas de Jeová acreditam na existência de vários deuses. Sendo Jesus um deus poderoso, Satanás outro deus, os anjos são deuses e os juízes humanos também (Cf. brochura “Deve-se Crer na Trindade?” p.28). Porém, só adoram o Deus Todo-poderoso chamado Jeová, de quem eles são testemunhas. Pensamento muito parecido com uma crença do politeísmo chamada: henoteísmo. Entretanto, atacam os Evangélicos afirmando que a doutrina da Trindade não consta na Bíblia e que traíram a Deus e a Bíblia (Cf. brochura “Qual é o Objetivo da Vida?” p.16-18). Porém, o texto de Isaías 44.6 é bem incisivo quanto a crença em outros deuses: "Assim diz o SENHOR, Rei de Israel, seu Redentor, o SENHOR dos Exércitos: Eu sou o primeiro e eu sou o último, e além de mim não há Deus".

NO QUE ACREDITA OS EVANGÉLICOS SOBRE DIVINDADES?
Os Evangélicos acreditam na existência de um único Deus, chamada pela teologia de monoteísmo (Is.44.6; Dt.6.4), e este Deus eternamente subsistente em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo (Cf. Mt.3.16,17; 28.19), definidas pela igreja como Trindade: uma unidade composta de Deus (Cf. Jo.10.30; 17.21; Jo.14.16, 1Jo.5.6,8), palavra semelhante ao termo hebraico “echad” (um, único, coletividade) representando uma unidade composta (exemplos: Nm.13.23; Dt.6.4; Gn.41.25). O contrário do termo hebraico “Yachid” (único, solitário, unigênito) que representa uma unidade absoluta (exemplos: Jr.6.26; Sl.25.16; Zc.12.10). Os teólogos Evangélicos afirmam não crer em três deuses, mas três pessoas. Realmente a crença em três deuses é chamada de “triteísmo” e não de Trindade. Que quer dizer "três pessoas na divindade".

NO QUE ACREDITA AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ SOBRE A ALMA?
Para as Testemunhas de Jeová a alma não sobrevive a morte do corpo. Não existe mais nada além do túmulo segundo a Sociedade Torre de Vigia (Cf. A verdade que Conduz a Vida Eterna, p.37/9). A alma humana é o próprio homem e não um elemento distinto do corpo humano (Cf. A verdade que Conduz a Vida Eterna, p.36/6).

NO QUE ACREDITA OS EVANGÉLICOS SOBRE A ALMA?
Para teólogos Evangélicos, a alma humana sobrevive após a morte do corpo. Doutrina bíblica conhecida como imortalidade da alma (Cf. Mt.10.28; Ap.6.9,10; Lc.16.22; Ec.12.7; Mt.17.3; Lc.23.43). Deus é o único que possui a imortalidade (1Tm.6.16). Mas não é o único ser imortal. O homem e também os anjos são criaturas imortais. Os apologistas Evangélicos afirmam que as próprias Testemunhas de Jeová dizem que a Terra nunca acabará (Cf. brochura “O que Deus Requer de Nós ?” p.10, 1o parágrafo). Ora, o que é isso senão uma forma de imortalidade?

Segundo teólogos Evangélicos, o homem é mortal quanto ao corpo, por causa do pecado (Rm.6.12; 8.11; 1Co.15.53) e não quanto a alma. Não existem referências bíblicas claras que afirmem isso. O homem possui os elementos: espírito, alma e corpo. Sendo os dois primeiros elementos de natureza imortal, imaterial e distintos do corpo (Cf. 1Pe.2.11; 1Ts.5.23; Hb.4.12; Jó 12.10; 27.3).

Os apologistas Evangélicos alegam que as Testemunhas de Jeová citam versos bíblicos para provarem a mortalidade da alma sem consistência no contexto exegético porque fazem uma interpretação simplória da palavra alma, ignorando o seu vasto léxico nas línguas originais da Bíblia. Onde alma pode significar muitas coisas: mente, pessoas, vida, elemento imaterial, etc.


Dúvidas e esclarecimentos escreva para: web-assessoria@bol.com.br
Direito de resposta: coloque abaixo seu comentário e aguarde a liberação do moderador do blog.

11 comentários:

Ney da Costa Oliveira disse...

Nem todos os evangélicos creem em três pessoas distintas ou na imortalidade da alma.

Julio Tati 77 disse...

Espírito Santo um ser...?
Uma pessoa sim :)
não ser...

Daniel Durand disse...

Prezado Ney, a igreja evangélica é congênita do movimento da reforma. E os reformadores em suas confissões de fé todas são trinitarianas, conforme o credo Atanasiano e Niceno. Se tem evangélico ou igreja evangélica que não é de confissão trinitariana, deve ser outra coisa, menos "evangélico(a)".

Daniel Durand disse...

Caro Julio, aí você toca em outra questão que já não é relacionada com a postagem, que é o unicismo, onde não se assemelha ao pensamento evangélico. Veja minhas postagens aqui no blog sobre Trindade e sobre a Igreja Evangélica Voz da Verdade. Acredito que seu comentário se encaixa mais nelas.

Anônimo disse...

Me chamo germano me tire uma duvida se o nome no hebraico yhwh.supostamente jeova, yeshua jesus e o espirito santo são a mesma pessoa? Uma trindade no caso? Por favor me tire essa duvida.

Daniel Durand (ThB) disse...

Caro Germano, mande sua dúvida para minha assessoria que terei o prazer em responder: web-assessoria@bol.com.br

Graça e paz.

Izael Mace disse...

E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se alma vivente.
Gênesis:2:7

Daniel Durand (ThB) disse...

Para Izaeç Mace:

E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe (1) nas narinas o fôlego (2) da vida; e o homem tornou-se alma (3) vivente. Gênesis 2:7

Comentários:

(1) naphach, palavra hebraica que significa: respirar, soprar, cheirar, entregar ou perder (a vida). A melhor colocação do dicionário aqui para o texto é "entregar (a vida)", uma vez que "soprar" não condiz com Deus, pois ele não tem pulmões, ele é espírito (Jo.4.24). Portanto, esse "soprar" da tradução acompanha uma linguagem mais antropomórfica do que literal. O correto deveria traduzir "entregar". Pois conforme Eclesiastes 12.7 é Deus quem dar o "espírito". E esse elemento não é um vento, pois o mesmo texto diz que volta pra ele. O que Deus quer com vento se ele é espírito. Deus é vento?

(2) neshamah, palavra hebraica que significa: respiração, espírito. Mais uma vez temos aqui as mesmas ponderações acima. E pra não chover no molhado dispenso a repetição. Assim, digo que Deus entregou (naphach) o espírito (neshamah) ao homem.

(3) nephesh, palavra hebraica que significa: alma, ser, vida, criatura, pessoa, apetite, mente, ser vivo, desejo, emoção, paixão. Veja como "nephesh" é muito abrangente. Nesse caso, creio que, pelo contexto, o homem tornou-se "alma". Finalizando sua criação: pó da terra (corpo) fôlego (espírito) e na junção desses elementos: copro + espírito, temos a alma.

Fonte: Bíblia Hebraica Stuttgartensia / léxico hebraico de Strong.

Annie Rafaela Tarantino disse...

Então não são evangélicos

João Carlos Di Fabio disse...

A igreja que postulou o dogma da trindade é a Católica, nos consílios do 3º século EC, assim esses conceitos vieram do catolicismo e todos que o seguem são seguidores da mesma igreja.

Daniel Durand (ThB) disse...

Boa noite, meu caro João Carlos Di Fabio, você envelhece de mais a ICAR. Está denominação religiosa não tem mais que XII séculos. Deixe disso, se informe mais e verás que a ICAR só surge com Gregório I.

Trindade não é dogma, era uma doutrina questionada entre alguns bispos da igreja que, pelos os anos 313 d.C., até 325 d.C., (período que marcou entre a autorização da fé cristã em Roma até o concílio de Nicéia) representavam a igreja cristã. E por um ampla discussão sobre quem era Jesus, os questionadores tipo bispo Ário, foram derrotados em Nicéia.

Sugiro que você leia minhas duas postagens sobre Trindade:

http://anti-heresias.blogspot.com.br/2017/04/trindade-negue-ela-e-estaras-com-serios.html

http://anti-heresias.blogspot.com.br/2014/06/monarquianismo-e-o-problema-trinitario.html

http://anti-heresias.blogspot.com.br/2008/11/doutrina-trinitariana-est-ligada-salvao.html

http://anti-heresias.blogspot.com.br/2016/05/uma-explanacao-da-doutrina-trinitariana.html

Leia e faça suas refutações lá nos comentários.