segunda-feira, 4 de novembro de 2013

A DIFERENÇA ENTRE EVANGÉLICOS E NOVOS EVANGÉLICOS



A cada ano que se passa o cenário evangélico no Brasil e mundo vão ganhando cara, e vamos identificando no meio desse cenário dois pólos opostos. O primeiro pólo é composto dos novos evangélicos que emerge de maneira massificada e que compõe hoje a maioria aqui no Brasil. O outro pólo, para a glória de Deus e sua infinita misericórdia, vai se afastando dessa multidão de néscios que vivem de ondas e modismos. Esse segundo chamo de evangélicos ou remanescentes dos evangélicos. Um grupo que decidiu não acompanhar a "onda" e ser fiel a sã doutrina e ao evangelho puro e simples. É um grupo menor em relação aos novos evangélicos que mostram a cara na mídia brasileira. Todavia, através da internet, com blogs, redes sociais, youtube, e mantendo a fidelidade em suas igreja realizando um culto sem shows e focado no atrativo principal que é a PALAVRA DE DEUS.

Esses dois grupos pelo livramento de Deus vão cada vez mais tomando distância um do outro. E isso é bom, para que seja preservado o remanescente, afinal TODOS não poderiam naufragar.

Talvez você que ler esse meu texto deva não ter percebido. Mas, há uma diferença muito gritante entre os evangélicos e esses novos evangélicos que mostram a cara em nosso país, com marchas para "jesus", shows para rede de televisão que não tem nenhum compromisso com o evangelho de Jesus, mas apenas de querer uma fatia no bolo midiático desse grupo de novos evangélicos que é crescente em nosso país. Para quem não sabe a diferença entre esses dois grupos, deixo aqui a minha contribuição modesta para o esclarecimento do público cristão e até mesmo dos não cristãos:

ACERCA DA FÉ

Para os evangélicos remanescentes, a fé é simplesmente confiar no Senhor(Sl.125.1; Pv.3.5,6). A fé não tem poder algum, autonomia alguma, a fé é totalmente dependente do poder de Deus (cf Jo.15.5b). A fé é apenas um meio e não o fim em si mesmo. E Deus é quem soberanamente decide o que deve ser feito (cf Rm.9.15).

Assim como o amor é difícil de se explicar e fácil de se distorcer. A fé acaba sendo distorcida pelo grupo dos novos evangélicos. Para eles, a fé é uma força (Tilton, Acknowledging the Good Things, 1989, 89, 90; God’s Laws, p.63-67). Os novos evangélicos usam muito a frase mística: "o poder sobrenatural da fé".

ACERCA DA ORAÇÃO

Para os evangélicos remanescentes, eles creem que devemos pedir, rogar, interceder a Deus nas orações em favor de nossas vidas e dos que nos cercam (cf 1Tm.2.1). Devemos orar segundo a Vontade de Deus(cf 1Jo.5.14), existem aflições da vontade de Deus(1Pe.1.19; Sl.119.71; 2Co.12.7-10). E tudo o que fizermos deve ser nesse mesmo princípio(Tg.4.13-16; Pv.16.1,33).

Já os novos evangélicos acreditam ter o “poder de comandar” ou a habilidade de ordenar que as coisas que nos rodeiam se conformem aos seus desejos. “Nosso problema é que oramos e confessamos muito, mas não mandamos. É gostoso mandar!... Jesus já pagou o preço para fazermos isso...”(Poder que comanda, Kenneth Hagin Jr, p.12,13).

ACERCA DAS PALAVRAS DITAS

Para os evangélicos remanescentes, as palavras não têm poder nenhum. Todo o poder está nas mãos de Deus(Sl.119.91; 127.1; Pv.16.1,33; Mt.6.10). O único poder que as palavras ditas tem é de difamar alguém, algo reprovado por Deus (cf Tg.3.9,10). Eu até já escrevi nesse blog um texto sobre isso. Veja AQUI.

Já os novos evangélicos vivem mergulhados na superstição e na feitiçaria se alimentam por frase do tipo: “As palavras são a coisa mais poderosa do Universo”; “Isso não é teoria, é fato. É uma lei espiritual”; e: “Esses princípios de fé são baseados em leis espirituais. Eles funcionam para quem que aplique essas leis. Você os faz funcionar pelas palavras da sua boca”.(Charles Chapps, God’s Creative Power Will Work For You, 1976, p.1,2). 

SOBRE DEUS

Os evangélicos remanescentes, não acreditam que Deus precisou de fé para criar todas as coisas, pois Ele é antes de tudo, até mesmo antes da fé (Cl.1.17). A fé (que significa “confiança”) surge no coração do homem através da comunicação da Palavra de Deus(Rm.10.17). Deus é invisível(1Tm.1.17), Ele não é deste mundo material(Jo.8.23). E como tal não precisa de fé. Veja que Ele fez coisas(Cl.1.16) visíveis(o mundo material que vemos) e invisíveis(o mundo espiritual que não vemos). Somos nós que precisamos da fé(confiança) e não Deus. É pela fé que somos salvos(Ef.2.8), somos justificados(Rm.5.1), sem ela não podemos agradar a Deus(Hb.11.6), com ela vencemos o mundo(1Jo.5.4) e com ela atentamos com as coisas que não se vêem(2Co.4.18; Hb.11.1). Hoje precisamos da fé, da esperança e do amor(1Co.13.13). Porém, quando Cristo voltar precisaremos somente do amor(idem cap.13.10).

Já os novos evangélicos, chegam a afirmar que Deus também usa desta fé (força) para realizar seus feitos. Se alimentam de frases do tipo: “Deus criou o universo pelos métodos que você acabou de colocar em prática pelas palavras de sua boca. Deus liberou a Sua fé em palavras”.(Capps, God’s Creative Power, next 25; cf. Fred K. C. Price, How Faith Works, next 99; cf. Price “The Power of Positive Confession”, fita cassete No 46, 1988, Krenshaw Christian Center, Los Angeles, CA.).


SOBRE O SACRIFÍCIO DE CRISTO NA CRUZ

Os evangélicos remanescentes acreditam que Cristo levou nossos pecados na cruz e por isso somos perdoados(cf Is.53.5). Enquanto que as enfermidades (Is.53.4) foi um comprimento que se realizou em um único momento conforme cita Mateus 8.17 em seu ministério terreno. Aguardamos a redenção do corpo para que a obra da salvação se conclua em nossas vidas e finalmente as enfermidades nos deixem em paz(cf Fp.3.21; Ap.21.4).

Já os novos evangélicos, referindo-se ao sucesso, à felicidade, à paz de espírito, à saúde e à prosperidade, Tilton ensina que Jesus “comprou tudo isso no Calvário”.(God’s Law, p.5). Por exemplo, ele argumenta que “Deus irá curar todo tempo, pela fé... – 100% garantido!”(idem, 71). “Outra pessoa diz: ‘Estou pegando um resfriado’. É um erro. Ela aceitou. Jesus removeu o pecado. ‘Carregou’ os nossos pecados. Além disso, ‘levou’ as nossas enfermidades e ‘carregou’ as nossas doenças... ”(O Nome de Jesus, Kenneth Hagin, p.130).

ACERCA DA MORTE ESPIRITUAL E CONSEQUENTE SACRIFÍCIO DE CRISTO

Para os evangélicos remanescentes, a morte espiritual é uma conseqüência do pecado(Gn.2.17), resultando na separação da presença de Deus(Is.59.2; Rm.3.23). Nos tornamos seres pecaminosos, mas nunca em seres com uma natureza satânica, pois fomos feitos a imagem de Deus (cf 1Co.11.7 e Tg.3.9). E Jesus, quando morre por nós, a Bíblia nos diz: "Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus". (2Co.5.21). Ele se fez "pecado", jamais "tomou uma natureza satânica" por nós.

Já para os novos evangélicos, se alimentam de frases do tipo: “A morte espiritual significa mais do que separação de Deus. A morte espiritual significa ter a natureza de Satanás.”(O Nome de Jesus, Kenneth Hagin, p.26). Mais adiante diz: “Jesus provou a morte – a morte espiritual – por todos os homens... Jesus se tornou aquilo que nós éramos...”.(Idem, p.27). Ou seja, na sua morte, Cristo adquiriu uma natureza satânica!

ACERCA DA GUERRA ESPIRITUAL DO CRISTÃO

Para os evangélico remanescentes, acreditam que há uma guerra da natureza pecaminosa contra a nova natureza implantada pelo Espírito Santo(Gl.5.16). Esta “natureza pecaminosa” é chamada no Novo Testamento de “carne”(Rm.6.19; 7.5,18, 25; 8.4,5; 13,14; Gl.5.16,19, 24; 6.8; Ef.2.3; 2Pe.2.10; 1Jo.2.16). Que, por efeito da polissemia os incautos confundem-na com o corpo(parte material). De fato esta natureza pecaminosa atinge não só o corpo humano e alma, mas também seu espírito(Sl.51.10; 2Co.7.1). Biblicamente falando, toda miséria, fome, doenças e pecados não existem por causa do mundo material, mas do pecado (Rm.5.12; Sl.38.2; idem 107.17; Lv.26.24).

Já os novos evangélicos, alimentados por ensinos heréticos do dualismo gnóstico, creem cegamente que há uma guerra do espírito e a matéria(corpo e mente), uma crença de semelhança gnóstica e neoplatônica. Por isso se alimentam de frases do tipo: “Crer com o coração significa crer à parte daquilo que seu corpo físico e seus sentidos físicos lhe disserem... Crer de todo o coração é crer com o espírito. Crer de todo o coração é crer independentemente da cabeça e do corpo”(idem, p.54). Ou seja, Toda miséria, fome, doenças e pecados são produzidos neste mundo material. Se o crente “crer com o espírito” ele vencerá tudo isso.

ACERCA DO CONTINUISMO DOS DONS ESPIRITUAIS

Os evangélicos remanescentes possuem duas ramificações: os que creem que os dons cessaram junto com o encerramento da revelação bíblica (diz-se cessacionistas) e os que creem que os dons esprituais mesmo com o encerramento da revelação bíblica podem ocorrer em diferentes épocas e avivamentos sob a soberana vontade divina (diz-se continuistas). Mas, que moderadamente, e que tais dons espirituais nunca superam a autoridade bíblica e nem igualham a mesma. E sujeitos ao julgamento da Bíblia quando os tais acontecem.

Já os novos evangélicos tomaram a ramificação continuista e levaram ao extremo do absurdo de criarem um cânon verbal da Palavra de Deus que chamam de "rhema". Resgataram o ministério de profetas e apóstolos (cf Ef.4.11), dons dados por Cristo para o FUNDAMENTO da igreja (cf Ef.2.20), e transformaram em um novo fundamento para o novo movimento evangélico. Onde a Bíblia é apenas um item da revelação divina, mas que essa continua com dons espirituais aplicados e realizados pelos os ungidos de seus ministérios e denominações.

ACERCA DA DOUTRINA DA SALVAÇÃO

Os evangélicos remanescentes possuem duas ramificações: os que creem na salvação totalmente operada por Deus (diz-se monergismo) de onde nasce os calvinistas. E os que creem na salvação operada por Deus por meio da graça proveniente restaurando o livre arbítrio do ser humano que está morto e escravo do pecado para que esse possa se render a Cristo para a sua salvação (diz-se sinergismo evangélico) de onde nasce os arminianos.

Já os novos evangélicos levaram ao extremo o sinergismo evangélico transformando em herético e descabido dos fundamentos da fé cristã. Resgataram o pensamento repudiado na antiguidade pelos pais da igreja conhecido como "semipelagianismo". Um pensamento e interpretação otimista da humanidade na antropologia e na soterologia bíblica.

O semipelagianismo tem sua origem no monge Pelágio da Bretanha (350 a 423 d.C.). Foi duramente refutado por Agostinho e seu amigo Jerônimo. Findando a ser condenado por heresia no Sínodo de Dióspolis na Palestina em 415 d.C.

Pelágio ensinava basicamente que todo homem é totalmente responsável pela sua própria salvação e portanto, não necessita da graça divina. Que a queda de Adão afetara apenas a Adão, e que se Deus exige das pessoas que vivam vidas perfeitas, ele também dá a habilidade moral para que elas possam fazê-lo; embora considerasse Adão como "um mau exemplo" para a sua descendência, suas ações não teriam conseqüências para a mesma. Dele se escreveu: "Todas as coisas, boas e más, que nos tornam dignos de louvor ou de censura, são feitas por nós e não nascidas conosco”. (Livro Documentos da Igreja Cristã pág.88).

MAS, O QUE É O SEMIPELAGIANISMO?

É uma tentativa de aceitação parcial do pensamento de Pelágio e parcial da teologia da graça ensinada por Agostinho. Assim, o semipelagianismo ensina que o ser humano é salvo exclusivamente por Deus mediante a graça, mas que essa salvação partiria somente da iniciativa da boa vontade no coração do homem para com Deus. Evidentemente os semipelagianianos acreditam que a Queda afetou “parcialmente” a natureza humana.

OS NOVOS EVANGÉLICOS obviamente acreditam que o livre arbítrio do homem não foi destruído com a Queda. No livro Teologia Sistemática, de Stanley M. Horton na pág.273, declara: “O semipelagianismo sustenta que, embora a humanidade tenha se enfraquecido com a natureza de Adão, sobrou livre-arbítrio suficiente para a iniciativa de ter fé em Deus, e então Ele corresponderá”. João Cassiano, monge de Marselha na França, foi o principal teólogo da controvérsia semipelagiana. Que hoje vem sendo reavivada.

ESSE ENSINO É HERÉTICO?

A controvérsia semipelagiana terminou no ano de 529 d.C., quando houve uma reunião de bispos ocidentais, conhecida como Sínodo de Orange, também chamada de Concílio de Orange. Importante observar que não consta na relação dos concílios ecumênicos, pois houve a participação apenas dos bispos ocidentais. Nesse concilio os bispos da Igreja condenaram os principais aspectos do semipelagianismo.

O SEMIPELAGIANISMO FOI CONDENADO COMO HERESIA

Foram anatematizados pelos menos oito dos principais argumentos semipelagianos. Dentre eles podemos constar: “Que o pecado de Adão não afetou o homem todo [alma e corpo], pois a liberdade de sua alma permaneceu intacta, apenas ficando sujeito à corrupção do seu corpo”. (Livro Documentos da Igreja Cristã, pág.97). Essas e mais outras proposições foram condenadas como heresia pelo Concílio.

EM APÊNDICE, O CONCÍLIO DE ORANGE DEIXOU REGISTRADO:

“... Através do pecado de Adão, nossa liberdade foi depravada e debilitada a tal ponto que, sem a graça da prevenção [preveniente] misericordiosa de Deus, ninguém poderia amar a Deus como convém, nem crer nEle, nem fazer o que é reto...”. (idem pág.98).

CONCLUSÃO

O mundo gospel crescente no Brasil não tem semelhança alguma com o evangelicalismo pregado no passado. E a tendência é esses dois grupos se dividirem cada vez mais. Igrejas, Sites e blogs em todo Brasil estão denunciando e levando muitos a deixarem de seguir essa banda pobre da fé evangélica, onde podemos constar aqui sites importantes e atuantes onde o BLOG ANTI-HERESIAS soma com eles: VOLTEMOS AO EVANGELHO , DEFESA DO EVANGELHO , BEREIANOS , PÚLPITO CRISTÃO , CACP , e todos os demais sites e blogs de apologia cristã evangélica.

Deixo uma palavra a todos os líderes das igrejas evangélicas remanescentes que não se venderam a esses modismos e heresias atuais: Não deixem de ser simples, preguem a Palavra de Deus em seus púlpitos e conduzam o povo a orar, a graça de Deus é e sempre será a força atuante da igreja de Cristo. Sem mérito algum do homem.

Quem se interessar mais em conhecer as doutrinas dos novos evangélicos, toda a base deles vem do neopentecostalismo. Assunto já refutado no blog ANTI-HERESIAS AQUI.


Observação: Não responderei aos comentários, deixei-os abertos para direito de resposta. Dúvidas e mais esclarecimentos sobre os meus textos, escreva para: 
web-assessoria@bol.com.br

Nenhum comentário: