terça-feira, 10 de abril de 2018

DESIGREJADOS - UM ALERTA A COMUNIDADE EVANGÉLICA



O que ocorre hoje nas denominações é algo assombroso. As pessoas que se dizem cristãs perderam qualquer respeito e pudor pelas instituições cristãs. Se muda mais de denominação do que de roupas. Estamos vivendo uma época onde os locais de culto viraram local de consumo. Não há nenhum comprometimento com a instituição cristã. Poucas são as denominações que conseguem hoje manter o público constante e fiel. A rotatividade, que antes ocorria por motivos excepcionais, agora ocorre por questões banais, insubmissão corriqueira e incontrolável. Como ser igreja restringi-se apenas a ir a um culto evangélico. O fato é que aquilo que era algo isolado, pontual, minoritário, agora se mostra majoritário e comum. Está claro na minha observação de pesquisador do comportamento religioso e apologista cristão que isso se deve ao fato do surgimento das igrejas neopentecostais. Mas, não entrarei aqui neste mérito da questão, pois já falei muito sobre esse movimento tanto aqui no blog, como no meu livro escrito mais detalhadamente sobre os desigrejados.

Os evangélicos viraram tipo os “católicos não praticantes” que, antes se resumia apenas a esse segmento do cristianismo, hoje, no meio evangélico tornou-se comum “evangélicos não praticantes”. O desigrejado é tipo assim: Um período é da igreja x, depois passa para a igreja y, e em pouco tempo se estar na igreja z. Além disso, no tempo que se passa na igreja x, y e z não se tem qualquer fidelidade ou comprometimento com a instituição frequentada. É como se fossem lojas, supermercados, feiras de fim de semana. Onde você entra, e lhe é proposto um monte de publicidade, ofertas, produtos, artigos, da fé, ícones religiosos, palavra focada no que se deseja ouvir, tudo ao gosto do “fregues”.

Aqueles que fazem parte das instituições cristãs, membros fiéis das denominações, os que estão “igrejados”, precisam tomar uma postura mais incisiva na exortação e repreensão dos ausentes e inconstantes. Deixar essa missão na conta da liderança é um desserviço a eclesiologia. Pois ser igreja não é função pastoral, mas de todos. A Bíblia quando aborda o tema ela diz: